PROJETO COMARU

Foto: Maurício Paiva / RAHCI

Aquisição de prensa extratora de óleo de castanha-do-brasil, visando a agregação de valor a produção extrativista processada na comunidade, incentivando o fortalecimento do capital social no meio rural.

A Cooperativa Mista dos Produtores Extrativistas do Rio Iratapuru – COMARU fica localizada na Comunidade São Francisco do Iratapuru às margens do Rio Iratapuru e há mais de cinco décadas trabalha com a coleta de castanha na área que hoje é a Reserva de Desenvolvimento do Rio Iratapuru- RDSI, foi criada para organizar a venda de seus produtos e aumentar o poder de negociação com os clientes.

A COMARU foi contemplada pelo Edital 2019.1 do Fundo Iratapuru com o projeto em questão que viabilizou alternativas para o fortalecimento da agroindústria na comunidade com a aquisição de uma prensa extratora de óleo de castanha-do-brasil, o projeto “Revelando Ativos Humanos do Rio Iratapuru” idealizado e executado pelo fotógrafo Maurício de Paiva e a jornalista Débora Pinto que resultou em mais de cinco exposições em dois estados brasileiros e uma matéria na National Geografic (https://www.nationalgeographicbrasil.com/cultura/2019/10/coleta-da-castanha-resiste-em-integracao-ancestral-com-floresta-amazonica) intitulada “Coleta da castanha resiste em integração ancestral com a floresta amazônica”, o intercâmbio de Ecoturismo realizado pelo comunitário Junielson Gomes da Silva para o Instituto Mamirauá em Tefé-AM durante o curso “Multiplicadores do Turismo de Base Comunitária”, o curso de Ecoturismo para 30 comunitários, organizado pela Garupa com participação da Gabriela da Estação Gabiraba para fomentar novas oportunidades de negócio na comunidade, a aquisição de duas máquinas roçadeiras para limpeza dos ambientes no entorno da agroindústria da COMARU e divulgação do projeto em jornais e eventos locais. Tais iniciativas estimulam o processo de organização rural e o processamento da produção extrativista comunitária, com vistas no desenvolvimento do setor econômico, social e a sustentabilidade ambiental dos recursos naturais na comunidade, através da agregação de valor a produção extrativista local. Ao todo o projeto impactou mais de 68 famílias que vivem na comunidade São Francisco do Iratapuru.

Exposição “Revelando Ativos Humanos do Rio Iratapuru” no dia 05 de outubro de 2019 para os castanheiros da comunidade São Francisco Iratapuru.

O acompanhamento e monitoramento dessas atividades está sendo feita pela Diretoria da COMARU e pela cooperada e projetista Sandra dos Santos Viana, filha da comunidade e hoje uma das colaboradoras para o crescimento da cooperativa.

Depoimento do Diretor Presidente Aldemir Pereira da Cunha falando sobre os objetivos e resultados alcançados do projeto:

José neto.jpg

Foto: José Neto

jose neto 2.jpg

Foto: José Neto

Bruna Oliveira.jpg

Cooperados da COMARU, Foto: Bruna Oliveira

A fabricação de uma máquina hidráulica extratora de processamento de óleo castanha do brasil, onde essa compra dessa prensa ela ajudará a melhorar o tempo de processamento de extração e ajudará no futuro novos mercados para cooperativa além disso engloba mão de obra comunidade gerando mais empregos na área processamento, mas a prensa ainda está em andamento a ser entregue ainda esse ano de 2020 da cooperativa.

A contratação da projetista é importante E fundamental para que através da escritura desses projetos que podemos acessar recurso para que podemos fazer uma boa gestão através dos conhecimentos práticos técnico para ajudar comunidade a se fortalecer cada dia, mas.

O projeto audiovisual foi importante para comunidade que onde esse projeto veio ressaltar todas práticas e conhecimentos tradicional onde comunidade não tinha esse privilégio histórico de contos fundamentais dos extrativistas no passado onde o projeto buscou todas essas informações de resgaste no dia a dia com contato na floresta.

O projeto do ecoturismo foi muito importante para comunidade porque o projeto trouxe mecanismo para que possamos preservar nosso meio ambiente e também traz mais fonte de renda para comunidade além de nosso conhecimento prevalecer todos. O diagnóstico foi positivo para ecoturismo para dentro da nossa comunidade.